Desmonte de programas sociais e contradições do governo interino tem preocupado o movimento social e sindical

Em defesa do SUS

A FASUBRA Sindical participou da Plenária da Saúde em Defesa da Democracia e do SUS, na noite de terça-feira, 07, promovida pela Comissão Nacional de Saúde da Câmara dos Deputados. Representaram a Federação os coordenadores Ângela Targino, Neusa Santana, Mozarte Simões e Roberto Luis.

A preocupação com o desmonte de programas sociais e contradições do governo interino de Michel Temer tem levado movimentos às ruas em manifestações. O Sistema Único de Saúde (SUS) também recebeu declarações de que o país não conseguirá sustentar os direitos garantidos na Constituição Federal.

Para piorar, a aprovação da PEC da Desvinculação das Receitas da União (DRU), que retira a obrigatoriedade da União, Estados e Municípios em destinar um percentual mínimo do total da produção de riquezas do país para investir em áreas sociais, o que está previsto na Constituição, tem sido destaque no Congresso Nacional.

Segundo o documento encaminhado à parlamentares pelo Movimento Saúde em Defesa da Democracia, a proposta da DRU equivale a aproximadamente 120 bilhões de reais a menos para seguridade social dos brasileiros, ou seja, menos recursos para aposentadoria, pensão, saúde e educação. A proposta ainda precisa ser votada em segundo turno nesta semana.

De acordo com o movimento, a PEC da DRU e a PEC 451/2014, que obriga empregadores a garantir plano de saúde privado aos empregados, representam o desmonte do SUS e atacam direitos previstos na Constituição.

Calendário em defesa do SUS

No dia 24 de junho acontece a campanha “São João e SUS – Patrimônios do Povo Brasileiro” para conscientizar a população sobre a importância da saúde pública em escolas e Unidades Básicas de Saúde em todo país, e no dia seis de julho acontece a II Marcha em Defesa do Sistema Único de Saúde em Brasília.

A FASUBRA compreende que, apesar de todos os problemas do SUS, a população brasileira ainda encontra atendimento desde a atenção básica até procedimentos de alta complexidade.

Crise nos HU

Para a Federação, há urgência em socorrer os Hospitais Universitários (HU) que têm passado por crise financeira e de gestão, mesmo com a vinda da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que aprofundou os problemas, principalmente em relação à gestão de pessoas. “Muitos hospitais estão em risco de fechar as portas por falta de recursos materiais e humanos”.

Privatização da saúde

A FASUBRA participa do Conselho Nacional de Saúde (CNS) e de ações em defesa da saúde pública e gratuita.  “Precisamos lutar para que não aconteça a privatização de um sistema invejado no mundo inteiro”. Em congressos internacionais, coordenadores da Federação constataram que não há um sistema de saúde igual ao brasileiro, referência para diversos países: “sabemos da dificuldade de implantar um sistema gratuito, em muitos países a saúde é privatizada”, defende a Federação.

A FASUBRA acredita no SUS, o único no mundo que oferece tratamentos no combate à AIDS, esclerose múltipla, hipertensão, diabetes, vacinas para prevenção do HPV em adolescentes, calendário de vacinas e muitos outros tratamentos e medicação para o brasileiro de forma gratuita.

Assessoria de Comunicação FASUBRA Sindical

16 de junho de 2016